Articulate

 

Desde 2012 a ACER Brasil tem parceria com Articulate - uma organização fundada no Reino Unido em 2001 como CMAP (Charlotte Miller Art Project), que atua internacionalmente em prol do desenvolvimento pessoal e social de crianças e adolescentes através da arte.
A equipe da Articulate é formada por artistas voluntários que oferecem uma gama de oficinas com o objetivo de proporcionar aos participantes experiências criativas que ajudam no desenvolvimento da auto-confiança, na capacidade de expressão e na forma de se relacionar com o mundo.
Ha 23 anos a ACER vem fazendo um trabalho incansável na comunidade de Diadema, isto é possível graças a parcerias sólidas, produtivas e frutíferas tal como a parceiria com Articulate, que traz resultados imensuráveis e de grande valor. Cada novo voluntário traz consigo valores que são agregados às crianças atendidas, um novo voluntário é sinônimo de novas expectativas e novas ideias. A ACER Brasil claramente preza por suas parceirias, não seria diferente com Articulate, a quem temos grande estima e admiração.
Nesse início de história que Articulate escreve junto com ACER, 09 voluntários já compartilharam suas vocações e habilidades com crianças e adolescentes da região Sul de Diadema. São eles:

Rhea Macteer, escocesa, permaneceu na ACER por 1 ano - entre 2012 e 2013. Realizou aulas de Yoga aberta à comunidade e para um grupo de jovens gestantes e Shantala para bebes.

Rachel Silver, neozelandesa, permaneceu na ACER por 7 meses - entre 2012 e 2013. Ministrou oficinas de mosaico para crianças e adolescentes que passaram a ter o número de endereço de suas casas mais colorido, criativo e bonito. Além disso fez um mural na ACER, com símbolos da cultura, fauna e flora brasileira e com a ajuda das crianças fez a parede da escadaria da Quadra Amarela no bairro Sapopema, onde a ACER realiza atividades esportivas.

Deanna Borland, australiana e Nicole Mailler, do Reino Unido permaneceram na ACER por 7 meses - em 2013. Montaram um grupo de teatro com jovens da comunidade e trabalharam questões de saúde, drogas, sexualidade e prevenção. Após um processo de debates, criação e ensaios o grupo realizou algumas apresentações em espaços públicos.

Sara de Sá, portuguesa, permaneceu na ACER por 1 ano - entre 2013 e 2014 e por mais 6 meses em 2016. Criou o Clube de Artes, nome dado as oficinas artísticas ministrada por voluntários da Articulate, fortalecendo assim a identidade da organização dentro da ACER. Realizou oficina de Textil com crianças e adolescentes e começou a desenvolver o projeto Era uma vez..., que contou com a participação mais ampla das pessoas atendidas - abrangendo famílias e jovens de outros programas e projetos, além dos funcionarios. Esse projeto trata da narrativa real e fictícia dos participantes que tem suas histórias retratadas em desenhos e trechos escritos ilustrados em tecido. Em 2016, Sara retorna ao Brasil para finalizar esse projeto com as narrativas que comporá um tecido alocado no teto de uma sala multiuso da ACER.

“Como voluntária da Articulate (anteriormente CMAP) na ACER Brasil entre Novembro de 2013 e Novembro de 2014, foi possível dar inicio ao projeto Era Uma Vez, incorporando diversas histórias e ilustrações criadas pelas crianças, jovens e adultos atendidos da ACER assim como pelos funcionários da entidade. O projeto culmina agora, com a confecção de uma série de paineis em têxteis inspirados em todo o trabalho desenvolvido. A peça final será permanentemente instalada no teto da sala de jogos, na ACER.”
Sara de Sá

Andrew Bunce, inglês, está na ACER desde abril de 2014. Realiza diversas atividades artísticas para crianças e adolescentes no Clube de Artes, mas tem em destaque as oficinas de Grafitte e Fotografia, que deu origem a uma exposição. Organiza também Passeios Culturais e está trabalhando através do processo criativo junto com as crianças, a pintura de 3 quadras da comunidade.

“Eu quero estar aqui na ACER Brasil porque é uma situação e oportunidade que eu sinto que consigo fazer algo bom para outras pessoas. Eu acho que é muito importante dar oportunidade para crianças que não tem essas atividades nas vidas delas, é importante que as crianças tenham a oportunidade de brincar, criar, ser felizes e ser crianças mesmo! Com meu trabalho através da Articulate na ACER eu sinto que eu consigo ajudar nesse sentido e eu posso criar atividades com artes onde elas vão ter essas oportunidades de brincar, criar e aprender que dará à elas vários benefícios.”

Hung Hsin Shill, tawanês, permaneceu na ACER por 6 meses - em 2015, colaborando nas atividades recreativas e artísticas das aulas de sábado e do projeto Dia de Brincar que acontecia em espaços públicos e parques da comunidade.

Hannah Ziolek, inglesa, está na ACER desde fevereiro de 2016. Ministra aulas no Clube de Artes e aulas de Inglês de forma lúdica através de atividades artísticas.

“Minha experiência sendo voluntária da Articulate na ACER Brasil tem sido incrivelmente positiva, recompensante e agradável. Eu fui motivada a me empenhar neste papel, baseada na minha experiência de trabalho anterior, como facilitadora de arte em workshops para incitar uma mudança social positiva, para trabalhar em projetos de artes com as crianças na ACER e assim continuar nutrindo as relações de amizade entre elas, a criatividade e a auto confiança através de arte com diversão” Hanna Ziolek

Florence Woolley, inglesa, permaneceu na ACER por 2 semanas – em 2016 e colaborou com as aulas de Inglês e Artes.

Neste ano a Articulate já atendeu diretamente mais de 200 crianças e isto é muito gratificante, porque desta forma a ACER consegue expandir ainda mais as possibilidades de atendimentos, além da diversidade e riqueza das atividades que Articulate oferece e agrega a grade de oficinas da instituição.

“Eu iniciei nas atividades de Clube de Artes com a Nikki e Deanna em 2013 mais ou menos. Quando elas foram embora, outros voluntários vieram e eu continuei partcipando. As aulas são muito interessantes, porque falam sobre todos os assuntos e tratam de tudo, sempre usando Arte. Eu não tinha a visão de arte que eu tenho agora.” Vinicius Viana, 16 anos.

“Pensando em desenvolvimento humano, não dá pra não pensar em artes. Qualquer ser humano precisa de parâmetro de comparação e para isso a criança precisa saber que existem coisas bonitas que ela também é capaz de fazer. Então, isso serve para a auto estima, para o desenvolvimento enquanto pessoa e eu acho que o Articulate tem ajudado muito nisso. As crianças se sentem poderosas, seguras em fazer qualquer coisa. Isto graças ao lado artístico que eles conseguem desenvolver nas crianças. Todos temos talentos para alguma coisa e com as atividades de Articulate eles descobrem que tem também. Eles fazem as atividades e sentem capazes de fazer. A parte importante do desenvolvimento humano é a pessoa se sentir capaz e é isso que o Articulate faz, ajuda as pessoas a se sentirem capazes.”
Marinisa Carminetti, Secretária Geral.

Desejamos ter Articulate por longos anos somando ideias que visam melhorar as vidas de crianças que passam pela ACER.

Artes para Quadras Esportivas